sexta-feira, 6 de maio de 2011

HOMOSSEXUALISMO - União estável aprovada por 10 a 0 no STF

Homossexualismo


Com a equiparação de direitos e deveres de casais heterossexuais e homossexuais, aprovada nesta quinta-feira pelo Supremo Tribunal Federal (STF), a rotina dos casais gays deve passar por alterações, principalmente para incorporar novos direitos civis. 


A decisão do STF, que foi aprovada por 10 a 0 dos votos dos ministros, faz com que a união homoafetiva seja reconhecida como uma entidade familiar e, portanto, regida pelas mesmas regras que se aplicam à união estável dos casais heterossexuais, conforme previsão do Código Civil.

O art. 226 da Constituição Federal afirma:

A família, base da sociedade, tem especial proteção do Estado.
§ 3º - Para efeito da proteção do Estado, é reconhecida a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar, devendo a lei facilitar sua conversão em casamento.
A decisão de hoje, abre caminho para que outras situações de difícil acordo no Congresso Nacional, sejam julgadas pelo STF, o que consigna grave precedente de inversão de papéis, e ainda passa como um verdadeiro trator sôbre o poder legislativo que representa legitimamente o povo brasileiro.

Do ponto de vista espiritual, o estado brasileiro caminha  a passos largos contra  os princípios da Palavra de Deus, e pasmem, isso é só começo. Antes das últimas eleições no ano que passou, essa bola foi cantada amplamente aqui na blogosfera, mas encontrou resistência mesmo dentro da Igreja. Agora tais defensores se calam. Quando líderes religiosos pensam mais em seus próprios interesses do que na defesa dos princípios cristãos, o diabo deita e rola.

Sei perfeitamente que nossa resistência poderia não impedir, mas com certeza dificultaria muita coisa, e não ficaríamos agora, assistindo de camarote a água descer ralo abaixo.

Aos que conseguem enxergar isso, que oremos pelo Brasil.



Um comentário:

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro amigo e Pr. José Raimundo,

Shalom!

Estou de luto pela atitude de ontem do Supremo Tribunal Federal. A questão pode ter sido legal, porém, jamais moral. As porteiras da miséria espiritual foram escancaradas.

O STF apenas legalizou uma onda crescente a cada dia na nação.

Não creio que isso passaria pelo congresso, mas como o assunto conta com as forças espirituais da maldade e o STF, "oficialmente" não é uma instituição política, foi muito mais fácil aprovarem por lá.

Agora, se a moda pegar, tudo o que não for fácil aprovar através dos políticos, vão levar para aquela corte. É o perigo da inversão dos papéis.

Em particular, quem quiser que se apegue com Deus. Definitivamente é o fim!

Oremos!

Seu conservo em Cristo,
Pr. Carlos Roberto