sábado, 29 de maio de 2010

REI DOS JUDEUS

Como raiz que brota de uma terra árida,
Ele não tinha formosura.
Como era exatamente o seu rosto,
Não se pode precisar,
Porque a Bíblia não diz.
Mas conta que foi humilde e desprezado
E dele não fizeram caso algum.
Parecia um homem comum
Que se misturava aos outros irmãos seus.
Visto ser um legítimo judeu,
Não era loiro e nem tinha olhos azuis.
Nascido em Belém, criado em Nazaré,
Crescia em graça e se fortalecia,
Andava com pobres e pecadores.
Homem de dores e experimentado nos trabalhos,
Foi carpinteiro como o seu pai José.
Não creram que Ele era o Rei dos Judeus,
Mas, ainda assim, zombando o adoraram,
Sem piedade o crucificaram,
Cravando no madeiro as suas santas mãos,
Os seus formosos pés.
Não foi em vão que sofreu,
Fomos restaurados pelas suas pisaduras.
Não foi em vão que clamou:
– Vinde a mim.
Seus ensinamentos sobrevivem através do tempo,
Suas palavras tornaram-se imortais.


Fonte: Margarete Solange Moraes. Inventor de Poesia: Versos Líricos. Mossoró, RN, Queima Bucha, 2010.

2 comentários:

rafaela disse...

Lindo e maravilho Jesus. Linda poesia inspirada!

nadijane disse...

Belíssima!
O meu Jesus sofreu por mim mesmo assim.
Por isso eu digo Obrigada Senhor Jesus.